Arquivo para abril \29\UTC 2008

Cornflake

Cornflake

Já adicionei ela nos linques do blogue, sempre falo nela em sala de aula.

Mas dessa vez mereceu postagem oficial. Caramuru, caramuru.

Cornflake blog

Cornflake flickr 

 

Cartoons que não deram certo (Cartoon Network)

Rupert – o peixe artista

http://www.youtube.com/watch?v=psriheLS5hw&feature=related


“Rupert, que otimista!”

O cãozinho (ROOF ROOF) raivoso!
http://www.youtube.com/watch?v=KbPjNwFLFcA&feature=related


“Que cão danado!”

Heidi e os Tiroleses
http://www.youtube.com/watch?v=_MGbrQ-A0-E

Destaque para a rima “Eles usam amaciante várias vezes / Heidi e os Tiroleses!!!!”

Mais “recuts” de filmes “levinhos”…

A partir de dicas da Sam “Cornflake“:

O Iluminado

Top Gun

Taxi Driver

Ring

Matrix

O Gato Félix

Tá, me fissurei agora:

O Gato Félix, desenho dos anos 20 de Pat Sullivan:

E a abertura de The Twisted Tales of Felix de Cat (no Brasil, As Novas Aventuras do Gato Félix), do fim dos anos 90, uma série que consegui trazer pros anos 90 a surrealidade do desenho original (objetos metamórficos, cenário pulsante, etc).

Betty Boop

Falando em pioneiros da animação:

Betty Boop, de Max Fleischer.

E um clipe atual muito bizarro que passa no Cartoon Network:

Little Nemo… in the Slumberland

A partir de dicas da Thaís:

Little Nemo foi uma das primeiras histórias em quadrinhos, criada em 1905, por Winsor McCay.

O enredo era surreal e o traço art noveau. Normalmente coisas estranhíssimas aconteciam o pequeno Nemo, em companhia de seus exóticos amigos, e, no último quadrinho, ele acordava caído de sua cama, quase sufocado nos lençóis, dizendo coisas como “nunca mais me entupo de macarrão com cebola logo antes de dormir”.

Liittle Nemo

O autor também foi pioneiro na animação:

Gertie the Dinosaur (1914)

Little Nemo (1910)

Um fato curioso é que Little Nemo virou animação em 1989, por um estúdio japonês. A visualidade foi um tanto ocidentalizada (os olhos não estão tããão grandes, por exemplo) , embora podem ser notadas características de anime (como o movimento fluido e contínuo da água, por exemplo).

Apesar da adaptação ter perdido aquele preciosismo do traço art noveau e o tom surreal da primeira década do século, que deixou saudade aos fãs mais antigos, o resultado ganhou o preciosismo oriental e manteve a surrealidade onírica apenas com um “sabor” diferente.

O QUE A EDIÇÃO PODE FAZER…

Uns maluco tão refazendo trêileres de filmes, distorcendo completamente os filmes originais.

SCARY MARY POPPINS

THE OTHER WEST SIDE STORY